• poder de cura cachorrocao

    O poder de cura do cão

    0

    Os cães, na sua condição pura, enxergam além de defeitos físicos, intelecto, condição social, doença, etc. Por isso são sempre escolhidos para prestar uma importante ajuda: Reabilitar pessoas. Muitas ONGs fazem uso do cão para auxiliar na recuperação física ou psicológica e até social de pessoas. Estão presentes em asilos, hospitais, abrigos, penitenciárias, etc. O uso de cães para fins terapêuticos teve início por volta de 1800 na Inglaterra, onde passaram a ser utilizados em sanatórios com bons resultados entre os internos. Em 1997, Hannelore Fuchs, médica e psicóloga, montou uma equipe que levava cães e outros animais para auxiliar no tratamento de pacientes com câncer, paralisia cerebral, é outras enfermidades. Alguns dos hospitais a receber estes ilustres voluntários foram a Sta. Casa, Hospital São Paulo e o GRAAC. Os cães tem o poder de diminuir o mal estar dos pacientes, ajudá-los a se relacionar com outras pessoas, deixam os pacientes mais felizes além de incontáveis outros benefícios. O instituto Cão Terapeuta, realiza um trabalho muito semelhante, levando cães para ajudar diversas pessoas a enfrentarem a difícil condição de enfermidade.(http://caocidadao.com.br/cao-terapeuta/) Em New Orleans, nos Estados Unidos existe um abrigo para pitbulls resgatados que serve também para auxiliar presidiários a serem...

  • Mila

    Cachorros podem ajudar na terapia de pessoas

    0

    Diversos medicamentos e terapias são indicadas para o tratamento da depressão. Com toda a certeza a terapia que não deve faltar nessa fase é a convivência com um cão. Estudos apontam que o cachorro, ou qualquer animal que a pessoa crie algum tipo de afeição, aumenta o nível de confiança e interação da pessoa doente com o resto do mundo. O cachorro tem um grande poder de fazer qualquer pessoa, seja o estado físico ou emocional em que se encontra, esboçar um sorriso. A pessoa em tratamento deve ter esse companheiro canino para poder ter com quem se preocupar, divertir-se e dividir momentos enquanto está sendo preparada para “viver a vida fora de casa”. São vários os relatos de pessoas que ganharam novamente ânimo de viver, tendo o convívio com animais de estimação. Incentive as pessoas a terem esse companheirismo extra e verão que muitas alegrias surgirão. Conversei com a Dona Maria Lúcia, 82 anos. Ela quebrou o pé dez anos atrás, entrou em depressão e conseguiu levar a vida novamente com alegria com a chegada da cachorrinha Mila. Dona M. Lúcia criou novamente vontade de viver, vontade de cuidar da nova integrante da família, que traz para ela muitas...

Scroll To Top

Options

Layout type:

liquidfixed

Layout color: